O Encontro de Natal

Sempre tive dificuldade em expressar os sentimentos mais fortes, mais importantes. É um traço de personalidade com que luto desde pequena. Se bem que melhorei bastante e sou, hoje em dia, uma pessoa sociável, a dita reserva que fazia com que me chamassem “bicho do mato” quando era pequena nunca me abandonou.

É por isso que fiquei quase sem palavras quando no Sábado passado me fizeram uma surpresa totalmente inesperada. Há surpresas que nem sempre o são verdadeiramente. Esta foi. Nunca pensei ser tão absolutamente surpreendida e de forma tão agradável como no último encontro de tricot.

No sábado dia 15 foi o dia do nosso almoço de Natal. O almoço foi marcado para o Restaurante D.Feijão, que fica perto do local dos nossos encontros. O plano era almoçar, fazer a troca de prendas e depois seguir para o local do encontro habitual. Infelizmente perdi o almoço. Fui ter ao encontro mais tarde.

Muita gente reunida à volta das mesas como é habitual. Fiquei mesmo contente por rever a Sandra Tenreiro que já há muito não vinha aos encontros. Gostei de ver a Sofia Amaral Menezes, que não podia ter escolhido melhor dia para se estrear.

Após as saudações iniciais fui espreitar os presentes que todas receberam na troca. Tudo coisas de morrer de inveja. Estas minhas amigas são uma artistas nas artes de fiar, tingir, tricotar e costurar. São um espanto e fazem as coisas com um nível de perfeição incrível. Tenho pena de não ter podido tirar fotos das pessoas com os seus presentes.

Entretanto eu dei o meu presente à Lina: um cachecol reversível numa lã azul Creative Focus Worsted da Rowan. Fiquei contente por ter sido tão bem recebido. Dá gosto oferecer presentes que nos levaram tempo a elaborar quando a pessoa que os recebe é tão merecedora.

A Catarina tirou uma foto da Lina com o cachecol:

CachecolLina-2012-12-22-13-07.jpg

Quando me preparava para me sentar disseram-me que alguém tinha deixado um embrulho para mim no restaurante. Malandras! O dito embrulho era uma caixa de cartão dentro da qual se encontrava um presente mistério envolto em várias camadas de papéis de embrulho. Gozaram o prato a ver-me descascar o embrulho. Fiquei muda com o que saíu lá de dentro:

IMG_1003-Version2-2012-12-22-13-07.JPG

Isto merece uma explicação. No fim do ano de 2011, eu proclamei alto e bom som (não tão alto assim) que no ano de 2012 não iria comprar fios de espécie alguma. Despedi-me das lãs comprando 6 novelos lindíssimos do mesmo fio com que fiz o cachecol para a Lina, mas num tom bordeaux/grenat. E assim foi que o ano de 2012 passou numa total abstinência. Custou-me imenso. Nem uns novelitos de algodão durante o Verão na Ericeira, nada. E rodeada por fios lindos por todo o lado.

Há uns tempos atrás vim a saber que a DROPS ia fazer um desconto significativo nos fios de Alpaca, uma promoção que iria estender-se, nada mais nada menos, até dia 31 de Dezembro de 2012. Fiz logo um post explosivo no Facebook a queixar-me de que deveriam estar a gozar comigo. Alguns tempos depois a Maria João envia-me uma mensagem para a aconselhar sobre os ditos fios de Alpaca. Eu fui ao site da DROPS e, após alguma investigação, lá lhe disse quais é que me pareciam melhores. E esqueci-me do assunto.

Vim a saber, no Sábado passado, que aquela pergunta inocente não era mais do que uma roda na engrenagem maquiavélica (angélica?) que estas meninas tinham posto em movimento. Resolveram, nas minhas costas, cotizar-se para me comprarem 10 novelos magníficos de Alpaca num tom de verde mesmo bonito (que verde não o é?). Inclusivamente, arrastaram para a conspiração um colega meu da escola! Não há palavras para descrever.

Ainda na véspera, enquanto tricotava umas mitts com uma lã que a Luísa me tinha dado nos anos, eu tinha pensado que não havia melhor presente do que os fios. Adoro receber lãs ou outras linhas. E deram-me DEZ novelos magníficos.

Não consigo expressar a minha gratidão. Como lhes disse, é de certeza o melhor presente de Natal que receberei.

E como tal, não pude deixar de imediatamente ir para o Ravelry investigar possíveis projectos para a dita linha. Foi eleito o Breezy Cardigan que comecei de imediato. É uma casaco com quilómetros e quilómetros de stocking stitch. Mas eu sinto-me pessoalmente comprometida a acabá-lo no mais curto prazo de tempo possível.

Como disse na semana passada, tenhos muitos projectos para acabar. Quero que este seja o meu sweater de Janeiro. E sim, em 2013 quero fazer os 12 do IntSweMoDo.

Anúncios

O encontro de ontem

Ui! O tempo passa depressa demais. A minha intenção é mesmo escrever aqui com mais frequência, mas deixo que todas as outras coisas da minha vida se interponham entre mim e este blog. E depois as pessoas ralham-me. Ai…

Não vou pôr-me aqui a tentar recordar tudo o que se tem passado desde a última vez que escrevi. Isso seria uma tarefa demasiado trabalhosa e talvez seja isso que me tem mantido longe daqui. Tenho tanto para dizer e contar que não digo nem conto nada.

Assim sendo, vou antes contar o encontro de tricot de ontem, sábado 8 de Dezembro.

Quando cheguei ao sítio do costume já lá estavam algumas pessoas, mas depressa o grupo foi aumentando. Duas pessoas que já não via há muito apareceram ontem e foi muito bom revê-las: a Viviane, que resolveu começar umas mitts e a Ana, que tem já o casaco da afilhada quase terminado. Estamos quase a celebrar um ano desde que a Ana começou a tricotar e que incrível caminho tem percorrido no mundo do tricot. É verdadeiramente inspirador.

Uma pessoa que nos encanta sempre com a sua boa disposição é a Ana Paula. E um dos momentos altos de ontem foi quando serviu de modelo ao gorro que tantas meninas andam afanosamente a tricotar para dar resposta às inúmeras encomendas que têm recebido.

IMG_0979-2012-12-9-21-20.jpg

A Luísa esteve em Londres e trouxe dois livros novos para nós apreciarmos. Um dos livros está na minha wishlist desde que foi publicado. Já me prometeram que me trariam o livro de Londres em breve, mas entretanto, folheei o livro com muita atenção e resolvi que não ia esperar que o meu livro chegasse para começar a fazer um dos modelos: mal cheguei a casa fui enrolar uma meada de Clan que a Luísa me tinha oferecido nos meus anos. O Clan é simplesmente o meu sockyarn favorito e este é num lindo tom de verde. Comecei logo a trabalhar o primeiro gráfico das Cedar Shake Mitts. O livro é o Juju’s Loops de Juju Vail and Susan Cropper.

E aqui está o início da minha mitt:

IMG_0987-2012-12-9-21-20.jpg

A foto não é muito boa porque foi tirada à luz do candeeiro.

Como é óbvio é mais um projecto que comecei, tendo tantos tantos para acabar. E, a propósito, resolvi que assim que acabar esta época natalícia em que estou a tricotar alguns presentes, vou obrigar-me a acabar um projecto por semana. Mais que obrigar-me, uma palavra mais adequada será concentrar-me num projecto por semana. E assim, fica aqui registado que na primeira semana de 2013 começo este compromisso de abater um projecto por semana. E vou tentar relatar essa aventura aqui.

Voltando ao encontro de ontem. A Lina chegou bem tarde, mas trazia umas fantásticas broas de batata doce, nozes picadas e casca de tangerina ralada que eram uma delícia. Deviam ter visto como várias meninas quase que arrancavam os olhos umas às outras para comer mais das ditas broas. Um espectáculo.

Como de vez em quando fazemos, prolongámos o nosso encontro até à meia-noite. Acabámo-lo a tricotar num MacCafé até fechar. Depois de sairmos o empregado que estava à porta fechou-a apressadamente à chave. Acho que estava com receio que voltássemos a entrar.